SOBRE FAZER MUITO COM MENOS.

Não aprendemos a comprar roupas de forma inteligente. Isso é fato. Roupa é um item de uso diário, útil, necessário, básico. Mas na moda, a roupa se ligou a necessidades muito diferentes: necessidade de se enquadrar, de se sentir bem e aceita, de preencher vazios ou amenizar angústias. E aí, a coisa ficou complicada.

Se estamos buscando esse tipo de "compensação" na roupa, nenhum closet do mundo vai ser suficiente, pelo simples fato de que não se preenche com coisas materiais necessidades que não são materiais. 

 

Mas então, vamos falar de vida real. Roupa nos veste e nos acompanha, logo a necessidade de conforto, bom caimento e adequação faz super sentido. E estar confortável, com o corpo valorizado por uma peça que conseguimos usar de várias formas é ou não uma sensação possível e durável? Recordando o seu guarda-roupa, você consegue se lembrar daquela blusinha que você comprou e usa o tempo todo, de todas as formas, e se sente sempre bem? Tem coisa melhor? 

Acreditamos que um guarda-roupa inteligente é aquele que contém peças versáteis, atemporais e que podem ser utilizadas nas mais diversas ocasiões. Investir no básico nos ajuda a ter mais flexibilidade nas combinações, usando mais e melhor cada peça. Daí, acrescentar um super colete bordado, ou uma calça-tendência, ou uma cor da estação aqui ou ali vai ajudar a incrementar uma base bem construída, sem exageros. 

É assim que funciona!

 

Deixe um comentário

Este site é protegido por reCAPTCHA e a Política de privacidade e os Termos de serviço do Google se aplicam.